Palavras que ferem ao invés de curar e aprisionam quando poderiam libertar

Por Lívia Borges


Por quais trilhas caminha sua língua? Palavras ditas ao acaso, inconsequentes, impulsivas podem destruir sonhos, autoestima, relacionamentos. Seguem confirmadas ou negadas pelas expressões fisionômicas, que ora aliviam ora aprofundam significados.


Pessoas maduras são capazes de sobreviver a certas palavras, conseguem relevar, perdoar, esquecer. Mas há pessoas sensíveis, imaturas ou em desenvolvimento, para as quais, certas palavras podem ter um efeito devastador. Até mesmo qualquer pessoa em um mal momento, pode se sentir afetada por uma palavra mal dita.


Hoje, no meio da madrugada, minha filha veio ao nosso quarto. Estava visivelmente abalada por algum pesadelo. Chamei para mais perto, ela hesitou. Reclamava que não queria ir à escola ou queria, não entendi direito. Ainda estava acordando. Respondi que era domingo e que ela iria à escola na segunda-feira. Ela chateada chorando disse: não mamãe, não quero ir! Por que, minha filha?, perguntei. Deite aqui filha, falei. Ela veio. Deitou-se ao meu lado e começou a chorar. Disse que não queria que ficassem rindo dela pela janela. Quando falou a palavra janela imediatamente me lembrei. No dia anterior, indo para um almoço, toda enfeitada com pulseiras e colar, além da capa de detetive por cima, resolveu tirar o binóculo que ficou enganchado no colar. Resultado: pérolas espalhadas pelo carro e muitas lágrimas nos olhos.


No momento procuramos tranquilizá-la, mas sem mostrar muita importância, deixando-a se reorganizar emocionalmente. Nesse momento, com trânsito lento e vidro aberto em razão da pandemia, passou um carro com uma moça no banco de trás que olhou para ela debochando e falou algo quase incompreensível para nós. Minha filha compreendeu. Sentiu raiva. Acolhemos sua emoção legítima e procuramos relativizar o ocorrido porque não tínhamos certeza se o deboche foi para ela ou era uma infeliz coincidência. Seguimos para o almoço, e tudo correu normal, divertido. Mas no fundo ela se sentiu diminuída. Guardou o ocorrido, que agora produzia sentimentos desconfortáveis. Provavelmente encontrando caminhos neuronais de outras memórias semelhantes ocorridas na escola, onde certa vez esteve exposta e ridicularizada em público. Fato este que foi trabalhado durante alguns anos para ajudá-la a superar. Porém as cicatrizes ficam e quando são cutucadas, desestabilizam.

Conversamos baixinho para não acordar os outros. Tentei ajudá-la sugerindo o que fazer em tais situações e contando que também já riram de mim e muito. Procurei encontrar saídas bem humoradas, tirando o peso de que isso só acontecia a ela. Seu choro foi diminuindo com o carinho. O ocorrido no carro a afetou de tal forma, que ela mudou de posição e pediu para se deitar entre nós, precisando naquele momento da proteção de pai e mãe, onde se sente incondicionalmente amada.


Nossa filha tem a deficiência intelectual característica da Síndrome de Down, que causa dificuldades na expressão e no entendimento de questões complexas, como também possui grande sensibilidade e pureza na relação com as pessoas. Nesse momento ela mostrou que compreendeu sim toda a inadequação e perversidade daquele deboche de alguém incapaz de se sensibilizar com a dor alheia e de respeitar as visíveis diferenças de uma menina com Síndrome de Down.


Tal poder, tal responsabilidade, assim deveria ser para nossos olhares, sorrisos e palavras, você não acha?


Ela ainda dorme. Não sei como acordará. Sigo no frescor da manhã, elaborando questões como esta antes que ela se levante.


---

Lívia Borges - Psicóloga, escritora e mãe de uma linda menina com Síndrome de Down

Foto: Demétrio Dantas

Modelo: Luana Abhayomi (YouTuber) Segue lá! Ajude essa mocinha inspirar outras pessoas e diminuir o preconceito.


204 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo